(In) decência

Ainda me pergunto como pôde me deixar assim. Será que não vê que, depois da sua partida, cada noite é uma tortura? Qualquer outro homem teria o mínimo de decência. Qualquer outro não me deixaria. Ou, pelo menos, me deixaria com mais cuidado. Me daria banho, enxugaria minhas lágrimas, me colocaria para dormir e me cobriria ternamente antes de sair pela porta. Mas depois que você chegou eu nunca mais me importei com outros homens. E tudo que você fez foi ir embora. Como quem sai na calada da noite pela porta dos fundos porque falta coragem para encarar. Para abrir a porta da frente. Para escancarar as verdades. Felizes aqueles que preferem desviar o olhar. Felizes aqueles que não se entregam. Felizes aqueles que sentem pouco. Eu não. Em mim tudo é excesso.

Ausência/ Privation

Mais uma noite. Sozinha. Acordo ansiosa. O corpo inteiro molhado de suor. E por afrontamento do desejo é por ele que minha pele clama. E as palavras que ele me dizia ainda são as únicas que me fazem falta. Me recordo que já faz mais de um ano desde aquele beijo. Sem palavras, só olhares. Vontade pura e simples. Quando nenhuma promessa de futuro me fazia falta…
Eu sei. Sei que esse amor não era lá grandes coisas. Sempre tive certeza que nosso prazo de validade era curto. Mas sei também que o meio amor que eu tinha valia mais para mim do que o melhor de amor de qualquer homem.
E eu posso dizer que era feliz com fragmentos dele. Até que cansei de brincar de puta.
É que eu até tento, mas chega uma hora que não sei mais ser pela metade. Porque para um amor inteiro metade não satisfaz. Ainda que seja a melhor parte. A mais saborosa. Chega um momento que, de tão faminta, acabo morrendo de fome.


Privation

Another night. Alone. Wake troubled. The whole body wet with sweat. And by hot flush of desire is still him that my body wants. And the words he said to me are still the ones that I miss. I remember that it’s been over a year since that kiss. No words, just eyes. Lust. Pure and simple. When no promise of future was matter…
I know. I know that this love wasn’t big thing. I always knew that our “best before” was too fast. But I also knew that the half of love that I had was more value to me than the best love of any man.
And I can say that I was happy with his fragments. Until I got tired of playing like a bitch.
I just try to, but there comes a time that I don’t know to be in a half. Because for an entire love, a half can’t satisfy. Although it is the best part. The tastiest. There comes a time that I am so hungry, that I end up starving.

Work me, lord

Daqueles dias nos quais a vida mais parece uma travessia por labirintos de arame farpado do qual é impossível sair ilesa.
O mundo parece sarcástico. Esmaga sem piedade a alma de quem nasceu com a sensibilidade exacerbada e nos perfura o coração a instante. Como hemorragia interna que só se descobre quando a morte já é mais viva.
Por aqui um eterno vazio. Um abismo obscuro que até eu mesma tenho medo de adentrar demais porque sei que nunca será preenchido. Uma dor sem remédio, uma ferida que só faz aprofundar e jamais cicatrizará. Uma fome que não cessa, um corpo que parece constantemente ardendo em febre. Um ciclo sem fim.
Work me, lord“, canta Janis em tom rasgado enquanto todos os dias eu ainda insisto : “Oh, Deus, me faça olhar para mim com os mesmos olhos que você me vê”.


Work me, lord

Some days life looks like a cross with barbed wire mazes that is impossible to get out unscathed.
The world seems sarcastic. Crushes without mercy the soul of who was born with a heightened sensitivity and pierces our hearts in every moment. Like as internal bleeding that is discovered just when death is more alive.
Here an eternal empty. A dark abyss that even I’m afraid enter because I know that will never be full. A pain without medicine, a wound that only deepens and never heal. A hunger that doesn’t cease, a body constantly burning fever. An endless cycle.
Work Me, Lord,” sings Janis in torn tone while every day I still insist: “Oh lord, make me look for myself with the same eyes that you see me.”

Feridas

Reviro as gavetas e encontro. Aquela calcinha amarela. Puxo sem dó e com violência rasgo um por um os fios da renda como se esse ato pudesse também arrancar do meu coração a tua presença que insiste em permanecer. Porque cansei de dormir e acordar dia após dia suportando essa dor ridícula como a de feridas profundas e infeccionadas, cheias de secreções e pus à flor da pele.
É que você não sabe, mas enquanto jorram essas palavras sinto cada dor, cada fisgada emocional como quem arranca espinho por espinho e deixa a pele em carne viva. O peito aperta a cada respiração e o estômago sangra e dói tanto quanto a alma. A cabeça revira e as veias dilatam cada vez que tento entender porque e ainda me questiono e suplico a não sei quem por uma resposta para algo que não consigo deixar pra lá como eles se conformaram a fazer. É que a minha maneira de amar é deturpada para os dias atuais. A mediocridade não tem espaço na minha vida. Eu ainda preciso de sentir mais do que simplesmente ligar o piloto automático e deixar acontecer.