Lugar qualquer

Foi numa quinta-feira quando eu me levantei daquela mesa de bar com os olhos marejados e não quis mais olhar pra trás. Não quis mais o seu olhar. Naquele dia eu tive certeza que nesse mundo eu não tenho lugar. Sem rumo pelas ruas da cidade. Como uma puta ou um vira-lata sem dono. Querendo fugir, querendo me entregar pro primeiro que passasse pra me limpar. Pra me livrar dessa paixão barata. Pra expurgar esse amor imundo. Mas meu corpo é autônomo, não me permite escolhas e qualquer entrega seria vã. Qualquer homem seria como ir de volta pra você. Qualquer beijo que não fosse o seu me sufocaria. Qualquer toque que não o das suas mãos me deixaria enjoada. Eu só queria me esconder, me deixar esquecer. Quando dei por mim já estava dentro de um táxi a caminho da rodoviária. Indo pra onde não pudesse voltar. Foi sem pensar que entrei naquele ônibus só pra passar a noite em claro na estrada e ver o sol nascer em outro lugar. Até agora eu ainda não sei se queria mesmo era me livrar de mim ou de você.

Anúncios

Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s