Carta aberta

Madrugada de sábado, 02:25.
Manhã de segunda. Chuva. Trânsito. Aproveito para ouvir um podcast de business no caminho.
Rotina. Checo os emails. Respondo meia dúzia deles e subo até o 22º andar. Para respirar. Para tentar enxergar outras possibilidades. Na esperança de que o vento leve embora pelo menos um pouco de toda essa intensidade. Enquanto meus sentidos ainda te buscam: vejo meus olhos procurando o ponto do horizonte mais próximo à você.
Vou até a cozinha. Café preto: “black coffee, love’s a hand me down brew“. Como tudo pode estar tão certo e, ao mesmo tempo tão fora de lugar? Tormento. Tempestade. Furacão. Tão longe de encontrar calmaria enquanto estiver tão distante.
A vida quer dar um jeito: “entra nos eixos”. Encontra um caminho. Tudo parece organizado. Engaveto desejos ardentes a cada instante, mas você deveria saber que, por dentro, ainda sou só desordem.
Uma máscara por dia. Uma nova tentativa: de aceitar enquanto tento, pela última vez, escrever algo intenso o suficiente para te despertar. Para te pedir coragem para o sentir. Para buscar, de alguma forma, reacender aquele desejo. Para, de qualquer jeito, esgotar os resquícios desse amor falido que já não tem fôlego para respirar.
Anúncios

Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s