Fantasia

Sábado. Noite. Babyliss. Cabelo. Maquiagem.
FANTASIA.
Costumava desejar tuas mãos. Teu corpo junto ao meu à cada madrugada de insônia.
Agora só sinto que com você minha alma seria moldada. MORNO. Ainda busco incêndio.
Diz que não, mas receia qualquer coisa que não se encaixe no padrão “Ford T”.
Nas fronteiras dessa vida, é preciso escolher o que se quer enfrentar.
Bandeira Branca. W.O. Essa nossa guerra já não é mais minha. Me retiro desse campo de batalha.
O toque agora será outro. Eu vou aceitar. Passivamente. Vou até fingir.
Foi você.
Foi você quem me colocou nas mãos de outro (s). Foi você quem me me fez querer ir embora. De novo. Pela última vez.

Anúncios

Tempo

Mais uma semana. Mais dias suportando. As obrigações tomam conta. Sexta. Forró. Rock. Mas não tem aquele jazz. Nevertheless…
Que espécie de falta é essa que ainda insisti em incomodar de vez em quando?
Você canta e toca. Eu escrevo para sufocar sentimentos e desejos.
A morte chega perto. Assola. Tudo é tão pequeno.
Sábado. E ainda perdemos tanto tempo…

Ainda é você

A saudade corrói mais uma noite. Toma conta. Abro aquele último vinho que estava guardado. O excesso de pensar ainda é minha briga. Luto a cada minuto contra sentir demais. Dia e noite. “Can’t you see I’m a mess without you”?
Tem aquele que quase ocupou esse vazio, mas decidiu ir embora. Tem o que tentei, mas nunca amei.
E tem você.
“It had to be you”. I used to think.
Eu tento. Nego. Disfarço porque já conheço o final desse filme.
Não vou mudar pra ter você. Não posso. Minha verdade é forte demais.
Mas quanto mais distante mais vontade.
Quando mais longe, mais quero.
O corpo não nega. Não sabe suportar. Deseja. Incendeia.
Arrepia. Transforma. Grita. Arde.

Bruxa

Eu queria me esconder de todo excesso do mundo. Queria me ver livre de sentimentos e desejos fast food.
Me cobria para me aquecer, mas procurava o frio como um cão farejador. Me escondia do verão porque ainda amava o inverno.
“The cold never bothered me anyway”. Da princesa que se sentia sozinha e amava bibliotecas àquela que congelava tudo à volta.
Com você eu entendi que nunca fui a mulher que poderia transformar o sapo em príncipe.
Eu era só mais uma.
Não a princesa do final feliz. Talvez a bruxa.
Mais um estepe.
Mais um corpo quente na cama.
Mais uma perna se abrindo.