Just over

Sentada no chão frio. Estática. Anestesiada. Não grito, não esperneio, não imploro. Mal consigo responder. Não faço nenhum esforço para levantar, para segurar ou ao menos enxugar as lágrimas que escorrem compulsivamente enquanto releio mais uma vez aquelas duras palavras que você me enviou. Nunca imaginei que pudesse me dizer palavras tão frias e sem esperança. E nunca antes um homem havia me deixado assim. Não dessa maneira, como se fosse tão fácil virar as costas e seguir seu caminho. Enquanto eu fico aqui. Sozinha. Ainda sem saber o que fazer. Como uma coisa qualquer que se joga fora depois que cansou de usar.

Tua/ Yours

É que não entendo como pode me deixar sozinha por tanto tempo. Não vê o quanto tua falta ainda dói, machuca e me faz sangrar? E da última vez eu te pedi para não me fazer sofrer mais. Mas você faz pior. Me deixa sozinha, entregue à esta solidão inexorável quando eu mais preciso de tua presença. Porque sabe que por mais que eu queira me livrar desse amor – e eu ainda me atrevo a chamar “isto” de amor? – não vou me entregar para outro. Porque ser de outro seria ser ainda mais tua. Mas não vê que, mesmo ainda sendo o único dono do meu corpo, do meu desejo, minh’alma clama por liberdade? Por entrega e amor de verdade? Alguma coisa em mim me exige muito mais do que as migalhas que você se arrisca a me dar.

Yours

I don’t understand how can you leave me alone for so long. Can’t you see how much your fault still hurt and make me bleed? And the last time I begged you not me hurt anymore. But you do worse. Leave me alone, delivered to this inexorable loneliness when I most need your presence. Because you know as much as I want to get rid of that love – and I still dare to call “this” love? – I’ll not hand up myself to another. Because give myself for another one would be even more yours. But you can’t see that even still being the only owner of my body, of my desire, my soul cries out for freedom? For surrender and true love? Something in me still want for much more than you venture to give me.

Limite

Outra noite daquelas e cheguei no limite. Ou vou ao banheiro e vomito. Ou escrevo.
Mas preciso expurgar essa coisa insana de alguma maneira. Como quem rasga a pele com lâmina contaminada. Sem anestesia. Desejando penetrar no mais fundo. Porque tudo aquilo que o papel não suporta é incrustado na pele, pela exigência do desejo. Tudo isso por aquele homem. Aquele que tem aquela mistura de intelecto e violência que me desarma. Aquele para quem eu disse que já não me importo. Que já me acostumei com a ausência. Mentira. Ainda que eu evite pensar nele eu o sinto. Na minha ânsia. No meu corpo. Em cada poro da minha pele.

Juntos IV

Mais uma vez. Juntos. E mais uma vez eu não quero nem te peço promessas. Porque eu nunca acreditei mesmo nas juras que eles se cansam de fazer e nunca cumprir. Mas eu ainda preciso de entrega. De verdades, intensidades e sentimentos completos. Tenho horror de qualquer coisa pela metade. E talvez você não perceba, mas eu sou toda urgência, “o meu coração selvagem tem essa pressa de viver”. E eu ainda não sei porque, mas só pra você eu me dou assim, tão inteira. Dou meu corpo, meu desejo. Minha alma. Meu amor. Pra você fazer o que quiser. Mesmo sabendo que vai doer outra vez. Eu não me engano. Sei que esse amor é contramão, que nosso desejo é leviano. Mas é que enquanto você é calmo, e sabe o tempo das coisas, sabe “que o amor não tem pressa, ele pode esperar”, eu ainda sou cheia de sonhos, desejos e rompantes. E tem certas coisas sobre mim que nem eu mesma sei lidar. Por trás do meu sorriso residem inseguranças e dúvidas. Mas ainda é com você que o máximo da mulher em mim transborda. De alguma forma, é só com você que me sinto mais minha.