Sangrando I/Bleeding I

Acabou. The end. Sem palavras, sem adeus. Mas eu sei que, desde a última vez, algo em mim morreu. Como facada a sangue-frio diretamente num ventre de mulher. Sei que da próxima vez em que estivermos juntos trocaremos olhos cheios de fogo e desejo por cordialismo e abraços frios. O ar me falta, o peito aperta, a boca seca. Como naquele dia que você me levou pra longe e minha única vontade era ser tua. Tua mulher, tua fêmea. E meu útero não parava de sangrar, como se antes da alma, o corpo já soubesse que eu iria sair dessa história despedaçada. História essa que, desde o início, sabíamos já premeditada ao fracasso. Mesmo que, de qualquer maneira, eu ainda esteja intensamente ligada a você e que minha carne ainda tenha marcas desse nosso amor. Agora, mais uma vez, estou só. Perdida, largada, jogada às traças. Entregue ao meu próprio desespero, com as veias do coração dilaceradas. De volta às antigas cicatrizes que ainda sangram e me ardem tão profundamente.

Bleeding I

It’s over. The end. No words or goodbyes. But I know, since our last time, something in me died. Like stab into the womb of any woman. I know the next time we’re together we’ll exchange our fire and desire eyes for polite and cold hugs. The air lack, chest tightens, dry mouth. Like that day you took me away and my only desire was to be yours. Your woman. And my uterus would not stop bleeding, as if before the soul, the body already knew that I would leave shattered. But we knew, from the beginning, that this affair would be a failure. Even if, anyway, I’m still strongly connected to you and my body has marks that our love. Now, again, I’m all alone. Lost, dropped, thrown to moths. On my own despair, with torn veins of my heart. Back to the old scars that still bleed and hurts me so deeply.

Amor perecível

As angústias latentes e as náuseas anunciam aquilo que já fora premeditado. De estômago vazio continuo a vomitar. Um sabor amargo, que poderia ser bílis. Mas ao encarar minha imagem no espelho do banheiro sou obrigada a aceitar a verdade. E eu bem sei que só coloco para fora os restos desse amor perecível e degradante. Porque meu corpo, que sente demasiado, bate o pé. Me exige e me culpa por tanto desassossego. E se nega a aceitar esse vício, a ser totalmente aniquilado por essa sensação entorpecente de paixão barata. Porque a mesma mulher que quer insanamente se entregar também deseja ir embora, virar as costas e colocar ordem nesse coração sujo, que agora devaneia entre a urgência do mundo real e o caos da fantasia. O tormento do desejo. A impotência perante o sentimento.

Juntos III/ Together III

Essa paixão que explode em cada poro da pele. O cheiro e o toque das mãos impregnado nas curvas do corpo. Esse desejo que consome a alma, devora as entranhas. Toma conta. Deixa tudo sem controle. E tudo isso por esse amor ridículo. Sem nenhuma decência ou futuro. Amor com prazo de validade. E ainda assim é você que eu quero. E nessa louca insensatez eu confesso: eu tento escapar, mas é com você que eu me deparo quando a noite vem. Porque é o único pelo qual meu corpo clama e é pra você que minha alma está entregue.

Together III

This passion explodes in each pore of skin. The smell and touch of hands tattooed in every piece of body. The desire consumes the soul. Leave all uncontrol. And everything for this ridiculous love. Without decency or future. This love must be consumed fast. Best before end. And after all this, I still want you. And in this foolishness I confess: I try to escape, but its you that I see when the night comes. Because is the only one that my body wants and is for you that my entire soul belongs.

Descompasso II

E eu ainda me pego pensando naquele homem e, estranhamente, não me importo em estar tão vulnerável. Porque o desejo com instinto cego e quando estamos juntos nada mais importa. E eles não entendem, porque ainda sentem tão pouco perto desse nosso descontrole. Porque entre a gente é assim: tudo é descompasso. Beleza e encantamento. Desrazão. A carne insensata que pede mais. O corpo que deixa de ser dono de si e a vontade única de perder-me em seus braços, enquanto fundimos nossos corpos e você deixa marcas profundas na minha pele.