Em carne viva

Coração em carne viva. Não suporto mais essa força que me toma tal qual dinamite que não explode. Respiração ofegante e nervos à flor da pele. Me perdoem as heroínas, mas necessito da totalidade do “sexo frágil”. Quero só ser mulher.
Cansei de tantas máscaras. Prefiro dilacerar novamente o coração a amar com medida. Prefiro ser despedaçada a me deparar com o meio termo. Só aceito os extremos. Não tenho mais medo. Aceito cada ferida aberta, mas ainda imploro por menos beleza e mais alma. Menos ilusão e mais verdades rasgadas. Menos mostrar e mais sentir. Quero ímpeto. Instinto. Enquanto eu anseio por mais eles ainda estão pisando no freio. Não posso mais conviver com o desinteresse e automatismo. Com a frieza e as superfícies. Quero ir fundo. Tão fundo. Afogar. Viver. Transbordar.
Entre em contato pelas redes sociais ou envie uma mensagem pelo “Fale comigo“:
Instagram Facebook Twitter Pinterest- LinkedIn

Incompatível

Aquele homem não me sai da cabeça porque está impregnado no meu corpo. Nesse amor sem nenhuma decência, onde a carne fala mais alto do que qualquer incompatibilidade. E se a gente não combina, quem se importa com as banalidades do dia a dia quando a alma incendeia à flor da pele? É que nossa linguagem comum é a do desejo. Inteiro e imenso. Devassidão levada às últimas consequências. A gente se encontra no amor pela arte. Na escrita. Nesse nosso caso que não tem vergonha, não tem governo e não tem juízo.