No tapete atrás da porta

Ainda me recordo daquelas noites nas quais eu costumava me jogar no chão do quarto ouvindo “Atrás da porta” na versão de Elis: “até provar quinda sou tua”. Dizer que era dele era mais fácil do que assumir que nunca fui mais do que o vira-lata sem dono e tinha que dar conta sozinha. Como na história da “Dama e o Vagabundo”, só que nunca fui a dama. Quiçá apenas uma forma de me iludir, achando que eu tinha lugar no mundo só pra me afastar de mim e escapar dos becos sem saída da minha vida emocional e aceitar que talvez eu realmente prefira a crueza da solidão sem disfarces do que o vazio das relações em tempos líquidos. Porque a verdade é que busco esses pseudo romances pra me livrar do excesso de sentir e depois vejo que aquilo que eu tento chamar de amor é só um capricho, uma teimosia em tentar amar sem máscaras.

Entre em contato pelas redes sociais ou envie uma mensagem pelo “Fale comigo“:
Instagram Facebook Twitter Pinterest- LinkedIn
Anúncios

Em carne viva

Coração em carne viva. Não suporto mais essa força que me toma tal qual dinamite que não explode. Respiração ofegante e nervos à flor da pele. Me perdoem as heroínas, mas necessito da totalidade do “sexo frágil”. Quero só ser mulher.
Cansei de tantas máscaras. Prefiro dilacerar novamente o coração a amar com medida. Prefiro ser despedaçada a me deparar com o meio termo. Só aceito os extremos. Não tenho mais medo. Aceito cada ferida aberta, mas ainda imploro por menos beleza e mais alma. Menos ilusão e mais verdades rasgadas. Menos mostrar e mais sentir. Quero ímpeto. Instinto. Enquanto eu anseio por mais eles ainda estão pisando no freio. Não posso mais conviver com o desinteresse e automatismo. Com a frieza e as superfícies. Quero ir fundo. Tão fundo. Afogar. Viver. Transbordar.
Entre em contato pelas redes sociais ou envie uma mensagem pelo “Fale comigo“:
Instagram Facebook Twitter Pinterest- LinkedIn

Sem defesa

Me julgue e me aponte o dedo porque ainda sou aquela que faz de cada paixão um romance. De cada desejo um drama. De cada noite um capítulo. De cada um deles, uma história pra contar. Foi uma noite no bar e só. E eu, que preferia ter ficado em casa, de repente o encontro. Não o amor. Mas a vontade da carne até o arrepio do último poro do corpo. De cada pedaço de mim. Ele, que um dia me fez querer ser Lolita, que fez crescer a ânsia de encarnar uma personagem de Nelson Rodrigues;  Bonitinha, mas ordinária. E mais de 15 anos depois. Ele, que ainda me atiça todas as vontades, todos os caprichos, que me aguça os sentidos. Todo desejo de mulher. Ele, que me deixa absolutamente sem defesa e que agora parece tão perto.

Entre em contato pelas redes sociais ou envie uma mensagem pelo “Fale comigo“:
Instagram Facebook Twitter Pinterest- LinkedIn

Desejo de mulher

Sou mulher. Sou fêmea. No cio. Sou sim. Desavergonhada. Despudorada. Devassa até os ossos; até o dedo mindinho; até o frizz dos cabelos. Mas só pelo amor. Pelo desejo do meu homem. Não é orgulho; eu confesso, eu grito: ainda é saudade, essa dor que me rasga o peito nas madrugadas. Mas, em algum momento, o peso desse amor ficou maior que a saudade.  Minhas palavras parecem já não tocar mais. A beleza é só mais um artifício que ele usa para me castigar. Pra me mostrar que sou só objeto de desejo passageiro; que sirvo pra cama, mas não para a sala de estar. Para mais uma vez, ter alguém pra entregar o coração de maneira tão leviana; alguém pra me apontar o dedo e provar que não me encaixo.

Entre em contato pelas redes sociais ou envie uma mensagem pelo “Fale comigo“:
Instagram Facebook Twitter Pinterest- LinkedIn