Depois daquela noite

Desde aquela noite o sinto impregnado em mim. Meu corpo ainda é consumido pelo desejo. Minha carne clama por tuas mãos, tua boca, teu cheiro. Teu gosto, incrustado na pele, me faz querer mais a cada instante. Mas o meu desejo é só por aquele homem. Aquele, que conheci de verdade naquela noite, e que insisto em buscar com esse amor desesperado e faminto, mas que, sem aviso prévio, desaparece na poeira dos dias, enquanto me resta esse estranho. Estranho familiar, mas não o meu homem.

 

Entre em contato comigo pelas redes sociais ou envie uma mensagem pelo “Fale comigo“:
Instagram Facebook Twitter Pinterest- LinkedIn

Outono

Outono que mais parece verão. A cabeça dilata enquanto ainda insisto na besteira de me entregar até os poros. Ingênua, talvez. Bato recordes de ingestão de ibuprofeno e mais uma vez me vejo largada, sem lugar nessa vida. Cansei de ser assim. Sem dono. Cansei de me ver mulher. Mulher e sozinha. Já passei dos 30 e quero ser mãe. Quero filho, família. Porto seguro. Quero alguém pra descobrir. Escrever e amar de novo. Amar e escrever de novo. Cansei de não ser de ninguém. Quero amor, quero espera. Quero briga. Quero sexo. Nunca vou ser sua bonequinha impecável e “pronta pro uso”, mas ainda arrisco desejar a rotina de amar e ser amada pelo mesmo homem todos os dias.

Sarcasmo

Perante a tua falta de vontade aquela saudade virou qualquer coisa, como que jogada no fundo da gaveta. A tua falta ainda incomoda, mas já não quero porque os restos desse amor não me convencem mais e essas lembranças só trazem algo de ridículo. Suas palavras já não me comovem. E de repente você parece ser só mais um. O desejo não passa de mais um capricho e meu corpo quer ser tocado por outras mãos que não as suas. O amor é sarcasmo. A minha fraqueza ainda é amar.

 

Cacos II

Porque quando eu estava ao seu lado o mundo poderia explodir que eu não me importaria. Porque quando estávamos juntos, de alguma maneira, até as coisas mais sem sentido pareciam tão certas. Mas assim, de um dia pro outro, quem explodiu fomos nós. Foi o amor que eu sentia que foi quebrado, dilacerado. Enquanto eu ainda tentava juntar os pedacinhos você jogava tudo fora.
“Meu coração ainda corre ao teu encontro com demasiada violência” – escreve aquele filósofo. Se eu pudesse ainda correria pra você. Mas, mais uma vez, a única coisa que eu faço é atender ao seu desejo: você decidiu que tinha que acabar. E você nega, mas você sabe.  As incompatibilidades nunca foram o problema. O problema foi a sua escolha. De não nos deixar acontecer. Você que um dia me pediu para tentar. Para viver a nossa história até as últimas consequências, de repente escolheu não vivê-la.