Só sou louca por uma coisa

“Só sou louca por uma coisa, você.”, é o que leio nas páginas de Henry Miller, enquanto insiste em manter essa distância entre nós. Mas, nesses tempos, ninguém se entrega mesmo de verdade. As desvairadas como eu não podem amar. De repente o amor não passa de mais uma insensatez, uma tolice qualquer. Nada mais do que um jogo para dois no qual eu sempre perco enquanto todos eles teimam em se defender mesmo quando não há ataque. Mas não, a culpa não é deles. A culpa é minha. Só minha. Eu que carrego o fardo de sentir e querer demais ao invés de me conformar com esses tempos de fast food, amores instantâneos e desejos corriqueiros pautados em egos.

Entre em contato comigo pelas redes sociais ou envie uma mensagem pelo “Fale comigo“:
Instagram Facebook Twitter Pinterest- LinkedIn

Amor perecível

As angústias latentes e as náuseas anunciam aquilo que já fora premeditado. De estômago vazio continuo a vomitar. Um sabor amargo, que poderia ser bílis. Mas ao encarar minha imagem no espelho do banheiro sou obrigada a aceitar a verdade. E eu bem sei que só coloco para fora os restos desse amor perecível e degradante. Porque meu corpo, que sente demasiado, bate o pé. Me exige e me culpa por tanto desassossego. E se nega a aceitar esse vício, a ser totalmente aniquilado por essa sensação entorpecente de paixão barata. Porque a mesma mulher que quer insanamente se entregar também deseja ir embora, virar as costas e colocar ordem nesse coração sujo, que agora devaneia entre a urgência do mundo real e o caos da fantasia. O tormento do desejo. A impotência perante o sentimento.

Juntos III

Essa paixão que explode em cada poro da pele. O cheiro e o toque das mãos impregnado nas curvas do corpo. Esse desejo que consome a alma, devora as entranhas. Toma conta. Deixa tudo sem controle. E tudo isso por esse amor ridículo. Sem nenhuma decência ou futuro. Amor com prazo de validade. E ainda assim é você que eu quero. E nessa louca insensatez eu confesso: eu tento escapar, mas é com você que eu me deparo quando a noite vem. Porque é o único pelo qual meu corpo clama e é pra você que minha alma está entregue.

Juntos II

Porque adoro quando cola teus lábios sob os meus com fúria lasciva e me cala a boca. E me faz esquecer neuroses e bobagens. Quando ignora os meus caprichos e me deixa completamente vulnerável. Porque independente do que esse amor seja, o meu desejo não mais me pertence. Agora tudo é seu. E eu, que nunca quis ser objeto de posse de alguém agora me entrego de bom grado. De bandeja e bem servida. E quando estamos juntos a única coisa que me importa é a vontade e o calor desse homem. E quanto mais me tem em seus braços mais eu quero me dar. Mais eu desejo que me tenha. Inteira. Porque esse anseio é cada vez mais intenso e pungente. Um amor cada vez mais entregue. Frágil, profundo, devasso. Perverso. Humano.