Incompatível

Aquele homem não me sai da cabeça porque está impregnado no meu corpo. Nesse amor sem nenhuma decência, onde a carne fala mais alto do que qualquer incompatibilidade. E se a gente não combina, quem se importa com as banalidades do dia a dia quando a alma incendeia à flor da pele? É que nossa linguagem comum é a do desejo. Inteiro e imenso. Devassidão levada às últimas consequências. A gente se encontra no amor pela arte. Na escrita. Nesse nosso caso que não tem vergonha, não tem governo e não tem juízo.

Noite quente

Tão quente que me atirei debaixo do chuveiro gelado às 3 da manhã. Sozinha, luzes apagadas e somente o pequeno abajur ao lado da cama permaneceu aceso. Pele nua e arrepiada. Apenas os cabelos soltos e desgrenhados cobriam parte das costas. Creme de baunilha. Calcinha de renda e camiseta de algodão. O corpo queima e o desejo perdura. Eu ainda o espero todas as noites porque tenho o nome dele incrustado em cada curva do meu corpo. E que se a noite é por demais quente, se a vontade desse amor é urgente, o coração dele ainda é displicente.