Quebra-cabeças

Todas as inquietações me vem à tona hoje como quem arranca cascas de machucados com as unhas e deixa sangrar uma ferida que nunca cicatriza. Viver nesta cidade é um martírio crônico. As ruas não me cabem. As pessoas me olham mas não me enxergam. Só veem um padrão, como embalagens cuidadosamente dispostas na prateleira do supermercado. Ninguém se olha, ninguém se vê, ninguém se sente de verdade. Eles nem sabem o que é sentir como eu sinto. E nunca saberão. Porque só suportam a superfície: o raso, o que é por demais previsível e confortável. Enquanto em mim aquela inadequação teima em aparecer mais uma vez, ainda que eu tente expurgá-la como veneno. Algo sempre está fora de lugar. Mas a peça errada sou eu. O Chico disse que na reencarnação ninguém erra de endereço, mas sei que estou sobrando no quebra-cabeças desta cidade. Eu não me encaixo nela e ela não se encaixa em mim.

Just over

Sentada no chão frio. Estática. Anestesiada. Não grito, não esperneio, não imploro. Mal consigo responder. Não faço nenhum esforço para levantar, para segurar ou ao menos enxugar as lágrimas que escorrem compulsivamente enquanto releio mais uma vez aquelas duras palavras que você me enviou. Nunca imaginei que pudesse me dizer palavras tão frias e sem esperança. E nunca antes um homem havia me deixado assim. Não dessa maneira, como se fosse tão fácil virar as costas e seguir seu caminho. Enquanto eu fico aqui. Sozinha. Ainda sem saber o que fazer. Como uma coisa qualquer que se joga fora depois que cansou de usar.